Se a Reforma da Previdência do governo Temer for aprovada, ela vai acabar com a aposentadoria de milhões de brasileiros. É um projeto tão injusto, que muitos iriam morrer antes de conseguir se aposentar.

O RGPS (Regime Geral de Previdência Social), que incide sobre os trabalhadores  e trabalhadoras  do setor privado, é amparado pela Constituição, e foi discutido exaustivamente no Parlamento, antes de sua implantação. A Reforma atropela, de forma antidemocrática, estes direitos adquiridos, sob o falso pretexto de déficit orçamentário.

IDADE MÍNIMA

COMO É HOJE: 30 anos de contribuição  para  mulheres  (*) 35 anos de contribuição para  homens
COMO VAI FICAR: 65 anos para homens e mulheres

 

TEMPO MÍNIMO  DE CONTRIBUIÇÃO

COMO É HOJE: 15 anos
COMO VAI FICAR: 25 anos

 

BASE DE CÁLCULO DA APOSENTADORIA

COMO É HOJE: 80% do valor das maiores contribuições.
COMO VAI FICAR: Valor médio das contribuições de toda a vida do trabalhador.

 

VALOR DA APOSENTADORIA

COMO É HOJE: 70% + 1% por ano de contribuição.
COMO VAI FICAR: 51% + 1% por ano de contribuição.

 

 

(*) Categorias especiais, como as trabalhadoras rurais e as professoras de Ensino Básico, perderão o direito de se aposentar com menos tempo de serviço. Só poderão se aposentar com 65 anos de idade e 25 de contribuição, se o projeto for aprovado.

Homens com mais de 50 anos e mulheres com mais de 45 terão de cumprir uma regra de transição, que adia a aposentadoria de todos. Terá de pagar um pedágio de 50% do que falta para 180 contribuições (equivalente a 15 anos).

  • Fonte: Dieese

 

*Este é um resumo das principais alterações propostas pela PEC 287, que

institui a Reforma da Previdência. Para mais detalhes e casos especiais,

procure o seu sindicato ou consulte a íntegra do texto oficial, comentada

pelo Dieese.

http://www.dieese.org.br/notatecnica/2017/notaTec168Pec.pdf