A reforma da Previdência de Bolsonaro é um ataque brutal contra a classe trabalhadora

Se o Congresso Nacional aprovar o texto da Proposta de Emenda Constitucional (PEC 06/2019), a obrigatoriedade da idade mínima para o acesso à aposentadoria será de 65 anos para os homens e 62 para as mulheres, com um período de transição de apenas 12 anos para eles e 10 anos para elas.

Além disso, a reforma de Bolsonaro prevê que a idade mínima aumentará a cada quatro anos a partir de 2024. Ou seja, a regra para que um trabalhador possa se aposentar no futuro poderá ficar ainda pior.

Com exceção dos militares, todos os trabalhadores, do campo e da cidade, além dos servidores públicos de todas as esferas, municipais, estaduais e federais, serão atingidos pela reforma e terão de trabalhar mais para ganhar menos na aposentadoria.

As trabalhadoras mulheres e algumas categorias, como os rurais e os professores, serão especialmente prejudicadas pelo projeto. A proposta de Bolsonaro simplesmente exclui as aposentadorias específicas e não respeita o fato de que algumas profissões são essencialmente penosas e desgastantes.

Não bastassem essas mudanças, Bolsonaro quer fazer pior e implementar um modelo de capitalização, no qual o trabalhador tem de abrir uma poupança e depositar todos os meses. Este modelo de previdência privada levou os aposentados do Chile à miséria.

E não é apenas quem ainda não se aposentou que sairá prejudicado. As aposentadorias e pensões também serão afetadas, prejudicando os aposentados e pensionistas. Os reajustes serão desvinculados do salário mínimo, o que afetará o valor dos benefícios, e não será mais permitido acumular a aposentadoria e pensão.

É preciso barrar essa proposta nefasta que acaba com a aposentadoria! Informe-se, converse com sua família, com os vizinhos e seus colegas de trabalho, participe das mobilizações e leve às ruas o seu protesto.

SUA APOSENTADORIA VAI ACABAR!
REAJA AGORA OU MORRA TRABALHANDO!